Marcos Cezar de Freitas

Professor Associado Livre Docente da Escola de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade Federal de São Paulo.

Pesquisador do Programa de Pós-Graduação Educação e Saúde na Infância e Adolescência.

Pesquisador do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico, CNPq.

Coordenador da Plataforma de Saberes Inclusivos que registra e analisa etnografias relacionadas aos temas corporalidades e infâncias. São registradas etnografias desenvolvidas com crianças crônica ou gravemente enfermas; com crianças que vivem experiências de internação e confinamento; com crianças cujas particularidades do corpo são associadas ao fracasso escolar. A Plataforma de Saberes Inclusivos conecta pesquisadores que em perspectiva antropológica registram a construção de saberes cotidianos à margem do consumo de argumentos biomédicos. A noção de saberes inclusivos, definidora da Plataforma, diz respeito à percepção cotidiana do sofrimento corporal infantil e aos idiomas culturais das limitações e sofrimentos da criança que permeiam as relações entre escola e famílias. Continuar leyendo “Marcos Cezar de Freitas”

Bia Medeiros: traços e tratos Galeria Elefante

para divulgaçãobia medeiros: traços e tratos

Elefante Centro Cultural
(SCGN 706 atrás das óticas brasilienses)

8 de novembro > 12 de dezembro
13 de dezembro > 17 de janeiro

Desenhos traçam linhas, traçam corpos, bordas, acentos e certos perfumes. As tintas podem ser amora, romã, pitaya ou jamelão. A exposição Bia Medeiros: traços e tratos revela desenhos, fotos, rabiscos, imagens de uma trajetória desviante do que se entende, hoje, pelo trabalho desta artista que, sendo gravadora de formação, desliza pela performance, trabalha em grupo (Corpos Informáticos), e jamais deixa desejos, pensamentos, corpo e dedos inquietos lentos.
O que se vê é, em sua maioria, inédito, ainda que sejam desenhos e gravuras que datam de 1984 a 2014. Tratos que Bia Medeiros, professora da UnB, traça nos momentos de silêncio que lhe restam na enxurrada de trabalho que representa a carreira acadêmica e a coordenação do Corpos informáticos.
A exposição se quer traços que se rabiscam, tratos que não cessam de ventar, assim a exposição se renovará a cada respiro tendo dois meses de duração e duas vernissages: outras possibilidades para rever o inaudito.

Vernissage: 8 de novembro de 16 às 21 horas.
Re-vernissage: 13 de dezembro de 16 às 21 horas.

Bia Medeiros foi presidente da Associação Nacional de Pesquisadores em Artes Plásticas (ANPAP) de 2003 a 2005, foi representante da área de Artes na CAPES, MEC, de 2005 a 2010, fundando e avaliando cursos de Pós-graduação em Artes em todo Brasil, foi suplente na cadeira de Artes Digitais no Conselho Nacional de Cultura, MINC, de 2007 a 2009.
A escrita da arte nunca se distanciou de seu corpo em meio a tantos afazeres entendidos não como burocracia, mas como posicionamento político no terreno maroto e escorregadio de (des) governos. Corpos Informáticos também atua no terreno político insuflando videoarte, webarte, performance, composição urbana como linguagens da arte. Performance, corpo, política é um dos sites do grupo (performancecorpopolitica.net).
Em seus desenhos, fotos, rabiscos o que Bia Medeiros busca é outra política, diferente da discutida em Ministérios, diferente da gritada, em gritos surdos, na performance: são traços diretamente das veias da pele que não cala a mais profunda política, aquela que fala de desejo. Rastros, trecos, troços que deixam à mostra o que a máquina urbana consumista quer calar: o corpo. Bia Medeiros responde: PORRA NENH UMA.

GRAFIASDEBIAMEDEIROS.BLOGSPOT.COM

 

Audiotur- 4 de Septiembre 18 hs

Jueves 4 de setiembre – 18 hs

 El Instituto de Artes del Espectáculo De la Facultad de Filosofía y Letras -UBA- Invita al

Audiotour

“Preguntando caminos en el cuerpo”

por Paulina Maria Caon (Universidad de San Pablo)

Intervención realizada en el marco de la presentación del Área Danza: Cuerpos, Cultura y Políticas en Danza –Dirección Dra. Patricia Aschieri.

El audiotour y las deambulaciones son acciones recurrentes en la escena contemporánea que proponen experiencias colectivas de exploración en y de la ciudad y con el grupo participante en tanto pequeña comunidad transitoria.  O Povo Em Pé  y  el Coletivo Teatro Dodecafônico (de lo cual formo parte) -São Paulo-Brasil-, vienen realizando experiencias con audiotours que buscan proponer explícitamente una experiencia multisensorial  ya que  se espera convocar en los participantes un estado de apertura corporal y de presencia en el mundo, en tanto cuerpos y espacios que se co-habitan recíprocamente (Merleau-Ponty).

Esta presentación  forma  parte de mi investigación académica y estética acerca de la corporalidad como suelode la experiencia humana en el mundo. En esta oportunidad estimularé a los participantes a experimentar nuevas  percepciones y fruición del espacio del Instituto de Artes del Espectáculo de la Facultad de Filosofía y Letras de la Universidad de Buenos Aires.

En el audiotour “Preguntando caminos en el cuerpo”, seremos invitados a un encuentro en presencia  de otros seres, objetos y espacios, donde la atención e interacción ocurre en un espacio-tiempo en suspenso. Al mismo tiempo que se anula la atención con el exterior mediante el uso de auriculares, lo sonoro propondrá acciones de interacción con el entorno. Entretanto, un caminar sin finalidades y con posibles detenciones posibilitarán,“un nuevo comienzo al mundo”, como afirmaba Le Breton

Actividad abierta, libre y gratuita

Punto de encuentro: 25 de Mayo 217-221 Planta Baja. CABA.

Fecha: Jueves 4 de setiembre de 18 hs

IMPORTANTE:  materiales necesarios: cada persona debe traer sus auriculares y celular o MP3/MP4 en que pueda cargar el archivo de audio.

Rousejanny da Silva Ferreira

Tem formação em dança clássica e há oito anos estuda e participa de Grupos de dança contemporânea. Já participou de Nômades Grupo de Dança (GO), Das Los Grupo de Dança (GO) e atualmente participa do Por Quá? Grupo de Dança (GO).

Professora efetiva do curso de Licenciatura em Dança do Instituto Federal de Goiás, ministrando as disciplinas de Historia da Dança, Ateliê de Balé Clássico e Ateliê de Dança Moderna. Continuar leyendo “Rousejanny da Silva Ferreira”

Dóris Dornelles de Almeida

Dóris Dornelles começou sua carreira profissional em 1994. Seu repertorio inclui papeis em Don Quixote, Coppelia, Sacre du Printemps, Raymonda, entre outros. Integrou companhias brasileiras como Ballet Concerto, Ballet Phoenix-Tony Seitz Petzhold, Anette Lubisco Cia de Dança, Muovere Cia de Dança dançando em Porto Alegre, São Paulo, Rio de Janeiro, Caxias do Sul, Dom Pedrito, Canela, Novo Hamburgo, Alegrete, Passo Fundo, Montenegro e Erechim. Obteve desenvolvimento de interpretação artística com Leverdogil de Freitas. Dançou internacionalmente no Canadá na Companhia de Dança Newton Moraes. Participou de inúmeros festivais e workshops no Brasil, Uruguai, Alemanha, Holanda, Áustria e Estados Unidos. Em 1998 foi nominada melhor bailarina no Premio Açorianos para a Dança, realizado pela Prefeitura de Porto Alegre. Continuar leyendo “Dóris Dornelles de Almeida”

Maria Acselrad

Maria Acselrad é professora de Técnicas e Práticas em Dança, do Curso de Licenciatura em Dança, do Depto. Teoria da Arte e Expressão Artística, da Universidade Federal do Pernambuco/UFPE. É bacharel em Ciências Sociais pelo Instituto de Filosofia e Ciências Sociais – IFCS/UFRJ, especialista em Etnomusicologia pelo Depto. Música/UFPE e mestre em Sociologia e Antropologia pelo Instituto de Filosofia e Ciências Sociais – IFCS/UFRJ. Continuar leyendo “Maria Acselrad”

José Bizerril

Doutor em antropologia social (PPGAS/UnB, 2001), e docente da graduação e do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu do curso Psicologia da Faculdade de Ciências da Saúde e da Educação, do Centro Universitário de Brasília – UniCEUB. Lá, coordena o grupo de pesquisa interdisciplinar Diálogo e atua na ensino de antropologia, metodologias qualitativas de pesquisa, orientação de monografias de graduação, de iniciação científica e de mestrado. Continuar leyendo “José Bizerril”